29 de ago de 2009

Sexto

Já faz um certo tempo que apareço por aqui e falo sobre coisas da minha vida, da vida de meus amigos, coisas de mulher, economia, enfim de diversos assuntos e percebi que estou me desviando do motivo principal.

É claro que era parte da intenção inicial falar só sobre dietas e coisas do genero, mas não sou a pessoa certa pra falar disso. Eu juro sinceramente que tentei levar uma vida saudável comendo coisas saudáveis e malhando, funcionou por um tempo, mas recentemente sou um fracasso!

Pago a academia e nem apareço por lá, chego em casa e corro pras batatas fritas, e outras porcarias do genero, no almoço tenho preferido massas, parmeggianas, hamburgers com bacon, humm me deu até fome agora....

A questão é que sou fâ de comida, sabores diferentes, combinações inusitadas que resultam em uma perfeita harmonia.

Saborear uma refeição, seja esta um filet à parmeggiana, um spageti ao forno,uma feijoada , ou um escalopinho ao emental é uma arte!

Eu também amo cozinhar e até acho que mando bem no assunto (modéstia não existe no meu vocabulário), gosto de passar horas na cozinha elaborando um prato, inventando uma receita, ou simplesmente fazendo um macarrão instantãneo, mas com classe, não é só despejar o conteudo do saquinho com aquele tempero artificial horroroso... yeeeech

Não, tem que no mínimo cortar um tomatinho em pedaços iguais sem a polpa, colocar um mangericão (adoro mangercão!), fazer um refogado com bastante alho e cobrir com um parmezão ralado maravilhoso!

Então! Toda esta introdução foi pra dizer que já que eu nunca pontuei minha vida baseada em instituições sociais, nunca dei bola nenhuma pra moda, nunca acreditei em casamentos, a não ser o cazamento de um belo azeite com alho e pão, nunca acreditei que seres humanos devem ter um padrão de imagem, não dou a mínima para convenções sociais que impõem algum tipo de comportamento “aceitável” !

Aliás eu odeio tudo isso!

Eu acredito que somos seres livres, que temos que viver tranquilos sem pensar em agradar ninguém a não ser nós mesmos, que se nós não tomarmos conta da gente quem vai???

Eu decidi que vou mudar o tema deste blog, vou passá-lo de uma tentativa de ser uma escritora de romances, para uma tentativa de coluna onde vou comentar sobre comportamento, comida, séries de TV, minhas paixões e opiniões controversas.

Não que eu seja do tipo que gosta de causar polêmica (é mentira eu gosto sim), mas quem me conhece sabe que tenho algumas opiniões que as vezes choca as pessoas com pontos de vista mais convencionais. E , apesar, de respeitar as opiniões diferentes eu nem ligo!

Sinceramente não entendo por que as pessoas tem “medo” de se expor, ser serem elas mesmas, de incomodar, porque sempre “temos” de seguir regras?

Sabe, eu adoro a série “Sex and the City”, já assisti milhões de vezes principalmente depois que a Aninha me deu a coleção completa! (o melhor presente!), eu eu gosto tanto porque tenho um pouco de cada uma delas, eu também tenho amigas inseparáveis, só não consegui colocar elas juntas ainda, mas ainda não parei de tentar:

A Dri, bom, a gente se conhece desde o colégio, sempre nos demos bem, e eu acho ela perfeita!
É linda, meu modelo de carreira profissional e tem uma filha linda!

A Jonh, é conheço ela por esse apelido e não consigo chamá-la de outro jeito, se eu fosse do tipo família queria ser que nem ela, essa mulher é uma lutadora, tem dois filhos maravilhosos, conquistou uma profissão com unhas e dentes, e é a pessoa que me ensinou a gostar de mim mesma!

A Aninha, amiga de faculdade, como ela adora dizer muuuuuito mais nova que eu, ela fala isso desde o dia em que fomos comer uma pizza e o garçon me pediu permissão pra deixar ela tomar vinho, é minha amiga de roubadas, e é inteligentíssima, meu ídolo na ciência!

O Evaldo, esse entrou na minha vida por conta de ser o amigo da amiga de uma amiga minha, pois é, com essa distãncia ninguém imaginava que nos tornaríamos tão proximos, moramos no mesmo bairro, amamos boa comida, temos pontos de vista iguais em muitos assuntos e temos muitas paixões em comum!

E tem o Dú, meu super hiper mega ultra plus amigo de todas as horas, da minha cerveja de sexta, dos problemões, aquele com quem posso falar de tudo, sempre, ele é descontraído, engraçado, despojado, linda!

Ah! Tem a Chi, entramos juntas na faculdade, já fomos bem mais próximas do que somos hoje mas ela mora no meu coração!

Com todos eles eu compartilho minha vida, vivemos juntos ótimos e péssimos momentos, mesmo quando ficamos muito tempo sem nos ver e nos encontramos de novo sempre parece que nossa última conversa foi ontem, vamos às compras, vamos às roubadas, sentamos pra ficar bêbadas e falando bobagem....

E se você também já assistiu e gosta de “Sex and the City” vai ver que é sobre isso e não sexo que a série trata. É sobre a vida e os grandes amigos!

16 de ago de 2009

QUINTO

Sabe quando às vezes a gente acha que tem sonhos inalcansáveis? Parece que a gente tem que se conformar com a nossa vida porque cada um tem o que esta destinado a ter, certo?

ERRADO

Eu sempre achei isso também e custei a perceber que este não é o caminho, acredite no que quiser acreditar, seja qual for a sua fé ou explicação das coisas que acontecem, mas eu demorei a ver que sou dona do meu destino e acredito que todos somos.
É muito difícil escrever sobre isto sem cair num lugar comum ou ficar piégas, fico dando voltas e é dificl prosseguir, então vou contar mais uma história:

Eu tinha uns 33 anos, acabava de colocar minha vida nos eixos de novo, estava trabalhando depois de um longo período de desemprego, saía de um relacionamento longo e problemático e tinha decidido seguir uma carreira que estava batendo na minha porta já fazia um tempo e eu ainda não a tinha aberto totalmente até então. Estava me organizando pra me livrar de muitas dívidas adquiridas durante o período de desemprego, e começando a cuidar de mim novamente.
Me enfiei de cabeça no trabalho, e quando eu me envolvo com alguma coisa me envolvo pra valer. Não ganhava muito, mas pra quem ficou um tempo sem nada qualquer coisa era bom.
Mas continuava sem uma meta, um objetivo que me empurrasse a continuar, a ir em frente, estava apenas vivendo sem direção.
Um dia, estava conersando com o Zenildo (ele nem sabe o poder que teve), ele trabalha como porteiro no prédio onde meus pais moram e onde eu morava na época, sempre conversávamos, a maior parte das vezes picuinhas futebolísticas, mas de vez em quando da vida, e neste dia ele estava me contando seus planos, estava quitando o apartamento onde mora com a mulher e também terminaria de pagar o carro, e assim que isto acontecesse ele estava pensando em comprar outro apartamento na planta pra que se mudasse com a esposa.

Na hora foi apenas uma conversa, demorou até cair a ficha pra mim.

Eu até então tinha um emprego onde ganhava um pouco mais que a media dos brasileiros da minha idade, considerado um bom emprego, estável, eu tive uma educação acima da média da maioria dos brasileiros, fui à universidade, estudei em colégios particulares, leio muito, falo Ingles, e porque uma pessoa que com certeza teve menos privilégios que eu tinha uma vida estável, construída e eu não?

Estava na minha cara que eu podia fazer mais!

E eu fiz, a partir daí eu fiz um plano para começar a juntar dinheiro, construir um capital. Peguei uma boa parte da grana que tinha recebido da minha última recisão, fui ao banco e falei para o gerente me ajudar a colocar esta grana em um investimento legal, que durasse algum tempo e que eu não conseguisse mexer por nenhum tipo de acesso:

_ E se algum dia eu ligar e pedir pra resgatar , Não deixe!!

Foi o que disse e ele me garantiu que não deixaria!

Na mesma visita ao banco também decidi abrir uma conta de previdência, não custa nada separar um pouquinho de dinheiro por mês e garantir um futuro.

Meu trabalho é analisar os diferentes modelos de negócios das empresas e ajustar a estes um sistema de informação, para o gerenciamento da empresa. Na época comecei a implantar num restaurante que estava abrindo, conversando com a gerente administrativa para ajustar o seu plano de contas financeiro, ela estava me explicando como fazia o provisionamento das despesas de 13º calculando um doze avos do total e depositando por mês em uma conta em separado.
Na hora pensei, e se eu tivesse um 14º? Poderia fazer isso pra mim mesma, separaria por mês 1/12 do meu salário e quando chegasse no fim do ano teira o que recebo da empresa e o que separei !
Fiz isso, e foi ótimo, porque mês a mês quase não percebi o dinheiro que saía, e no fim do ano separei só 1/3 da soma dos 2 salários que tinha extra pra gastar com presentes e mimos de Natal, porque ninguém merece economizar no natal né?
O resto, coloquei no mesmo fundo que tinha começado quase dois anos antes e fiquei bem feliz com o número crescente que aparecia no extrato!
Trez anos depois, depois de uma série de eventos, chegou a hora de usar o dinheiro que estava economizando, apareceu a chance de comprar meu próprio apartamento. É claro que não ia ser a vista, calma gente trabalhei muito e economizei bastante, mas não tinha tanto dinheiro assim! Felizmente a caixa diminuiu os juros e os critérios na conceção de empréstimos e com uma pequena pesquisa perccebi que era muito mais vantagem comprar um imóvel do que alugá-lo e então comecei a procura. Ao mesmo tempo aceitei outro emprego noturno por um mês, trabalhava feito uma camela grávida, de dia com implantação de sistemas e a noite como caixa de um restaurante. Foi exaustivo, mas isso me daria o restinho da grana que precisava para dar a entrada. E vendo a luz no fim do tunel me joguei.
Dormia no máximo 5 horas por noite, as vezes menos, mas tinha força, não sei de onde vinha uma força que não me deixava cair.

E consegui!

Já faz um ano e meio que moro na minha casa, acabei de reformar a minha cozinha que agora está do jeito que sempre sonhei!
E é claro que não vou parar por aqui. Ainda faltam coisas, sempre é preciso que faltem coisas, acredito que o ser humano precisa disto.
De vontades a perseguir, de metas a traçar. Não importa o que o motive, seja qualquer a fé, ela precisa existir.

Alguns por aí dizem que descobriram o “segredo” eu não sei não....

Não sei se existe um segredo, sei que cada um descobre um jeito de não se conformar, um jeito de sair do estacionamento que nossa vida para de vez em quando, acho que é individual a maneira de procurar ou de perceber as portas, mas sei que prestando um pouco de atenção a gente acha e com um pouco de coragem abre e dá um passo a frente.