20 de nov de 2010

Mudando de assunto

Mulher é um bicho engraçado mesmo né?

Alias o Ser Humano é um bicho engraçado! 

Não sei por que não estudei psicologia, ou antropologia, uma das minhas paixões existenciais é compreender o comportamento humano.  Eu me divirto muito analisando e tentando entender as minhas e as reações dos outros diante de determinadas circunstâncias da vida.

Estou cá eu assistindo pela milionésima alguns episódios de “Sex and the city”, que eu adoro, e que foi o melhor presente que já ganhei EVER! 

Às vezes me perguntam por que eu gosto tanto desta série, e eu respondo:

Porque é o Maximo!

Porque eu adoro Sexo e também a cidade!

Porque a série discutiu temas, durante os caretíssimos anos 90, que são polêmica até hoje, tais como:

Sexo anal;
Monogamia;
Fetichismo;
Emancipação Feminina;
Homossexualismo/Homofobia;

Enfim um monte de questões que ainda geram controvérsias e perturbam as mentes de mulheres e homens. 
Muito mais mulheres, claro, homem nem pensa tanto assim...

Vamos combinar que todas nós por mais independentes, saradas, responsáveis, etc., etc., etc., que somos temos nosso momento Carrie Bradshaw, por melhor resolvidas que sejamos temos nosso momento “Mulherzinha, não adianta, mas o bom é que passa!

Um outro motivo pra eu gostar tanto desta série é poder falar mal da Carrie! Hehehe vamos combinar que a mulher ganha em “erradas”, e o bom de tudo é que dá até pra entender a coitada, tem um monte de mulher que conheço que é igual, eu critico isso porque tenho uma visão diferente de encarar pressões sociais, mas entendo que nossa sociedade ainda tem muito que aprender, e nós a crescer.

Eu tenho muito de Miranda, uma personagem que tem lá seus estereótipos embutidos, mas que discute a independência feminina, um tipo de mulher que se faz sozinha, que segue suas próprias crenças e que muitas vezes sofre preconceitos, como ser taxada de lésbica, de solteirona recalcada, e de muitos outros estereótipos por aí. E ela, como eu, tá andando pra tudo isso!

E seguindo nesse assunto a série também traz Samantha, uma mulher bem sucedida, com uma vida sexual muito ativa e que também não se rende diante das criticas social, mas ao mesmo tempo mostra um lado carente, apaixonado e companheiro.

São 4 amigas completamente diferentes e muito iguais, e é muito igual ao que acontece na vida das mulheres, eu me vejo em várias situações reais muito semelhantes a situações da série. Já tive diálogos praticamente iguais com minhas amigas.

Inclusive a inspiração para eu assistir novamente e escrever esse post veio da John, velha conhecida deste blog, que dia destes me disse que não entendia porque eu gostava tanto de 
 “Sex and the city”

Acho que consegui expor bem, né amiga?

Mas o principal personagem nisso tudo é a Ana Luiza, quem me deu de aniversário a coleção completa!!!

Pra finalizar não posso deixar de dizer que apesar de tudo isso que falei aí acima esta série ainda leva os temas com muito bom humor!

E bom humor é tudo na vida né não? Eu acho que se não for para ser divertido não vale a pena, é claro que no meio do ciclo somos obrigados a passar por momentos difíceis, mas acredito que isso tem que servir para nos incentivar a aproveitar muito mais livremente os momentos bons!!

10 de nov de 2010

A continuação da viagem

Já que no ultimo post resolvi viajar e relacionar quatro estórias que aparentemente não tem nada a ver, agora quero esclarecer mais alguns pontos.

Como disse recentemente resolvi reler “As Brumas de Avalon”, este é o meu preferido entre todos os livros e textos que já li sobre a lenda arturiana, e o é porque a Marion Zimmer Bradley escreveu de uma visão feminina e feminista, muito bem embasada na cultura da religião antiga que era matriarcal. Aparentemente quando os autores homens escrevem a história se esquecem disso!
 
Bom, estamos então falando da Inglaterra, no inicio da idade média, o Império Romano estava em decadência e Roma, que dominava boa parte da Europa até então, simplesmente virou as costas e foi embora tentar salvar sua cede.
 
O norte europeu estava crescendo seu domínio com a ascensão das chamadas “Invasões Bárbaras”, ou seja, os Saxões e os Vikings estavam vindo com tudo e a pobre da Inglaterra estava ali só e desamparada. Cheia de reinos pequenos e desunidos.
 
A cultura inglesa que conhecemos hoje, a língua, e alguns costumes estavam se formando desde então, o povo estava crescendo e data daí os primeiros relatos da lenda de Atlantida.
 
Uma Terra maravilhosa, habitada por um povo elevado e dotado de grande magia, que sumiu do planeta , afundando no mar, deixando apenas alguns monumentos e descendentes para nós, meros mortais.
 
O mundo estava entrando na época até hoje chamada de Idade das Trevas, e a idéia de ter um “salvador” descendente do povo glorioso que viesse para reunir e salvar o país, acho eu, devia ser bem mais agradável do que a desunião e a fome encontrada pela maioria dos cidadãos que viviam na miséria.
 
Saltando daqui para séculos a frente encontramos J. R. R. Tolkien, um cara que é um dos meus maiores ídolos, que não só escreveu o que para mim é a maior estória épica de todos os tempos, mas não quero ficar aqui descrevendo o currículo dele, quem leu sua obra e é seu fã sabe mito bem disso.
 
O ponto onde quero chegar é: será que Tolkien se inspirou na história de seus ascendentes, e no imaginário popular inglês para escrever sua história?
 
Vejamos as coincidências que eu encontrei:
 
•    Os Valar desistiram da humanidade separando definitivamente Valinor da Terra Média, mas deram a ultima chance aos homens descendentes de Elros (meio elfo) com a construção de Numenor. Assim como Avalon foi separada deste mundo e encoberta pelas brumas.
 
•    Numenor era uma ilha rica e povoada com “Homens superiores” que foi corrompida e afundou no mar, exatamente como a Atlantida!
 
•    Os últimos descendentes bons da linhagem de Numenor, vieram para a Terra Média e depois de séculos escondidos surge o Grande herdeiro, Aragorn, que derrota Sauron, com a espada que foi forjada duas vezes, e resgata a paz começando assim a era dos Homens. Arthur, que vem de linhagens muito antigas, recebe a espada mágica desencravada da pedra, reforjada e com ela reúne todos os reinos dos homens trazendo a paz para a Inglaterra.

E por aí vai... é óbvio que este tipo de estudo já deve ter sido feito por gente que entende muito mais que eu, mas acho esse tema muito interessante! 

E vocês?

Alguém tem mais alguma idéia?