21 de set de 2014

É, Primavera...

Era triste o olhar dela sobre as ondas do lago que quase tocavam seus pés. Triste e tranqüilo, não havia como ignorar a tranqüilidade que a clareira causava.
O lago, a cachoeira, o platô de pedra. Era o lugar certo, perfeito.
A tarde estava quente e o sol começava a sua descida rumo ao fim do dia. Ela se levantou, foi armar o acampamento, pegar lenha, fazer fogo e cozinhar um caldo de batatas.
A noite subiu estrelada, uma brisa fresca soprava trazendo o perfume do bosque que a rodeava, encheu uma cumbuca de caldo e sentada à beira do fogo foi sorvendo vagarosamente o caldo, olhando as estrelas.
É bom aproveitar esses pequenos prazeres que colorem a vida, nos dão sentido. Parar para olhar o corriqueiro que esquecemos na correria quotidiana, o tempo que nos escorre das mãos perdido na busca de desejos mutantes, agora passava lentamente.
O barulho surdo da cidade, tão presente, tão incorporado que só se sente o quanto incomoda quando se está no meio do silêncio.
O silêncio da floresta a noite, o som da água correndo na pedra, vento cantando nas árvores, pássaros, insetos, o ar leve inspirado lenta e profundamente enche os pulmões de energia libertadora, destrava o pensamento.
Deitada em seu saco de dormir, dando longas baforadas, ela olhava o céu carregado de estrelas um tanto ofuscadas pela luz da Lua cheia, devaneava soltando as histórias presas em seu inconsciente, viajando nos mundos soltos no céu, voltando às referencias largadas pela vida, ligando pontos, criando verdades, adormeceu...


Ele vinha em sua direção, torso largo, peitoral marcado, aberto, destemido, braços fortes, pele morena, cabelos escuros, olhos amendoados, negros, nublados, lábios carnudos, rosto anguloso de  feições que  mostravam traços indígenas, pernas torneadas, músculos levemente demarcados. Vinha saindo da água lentamente, a linha da superfície ondulada revelava quase que com malícia os detalhes do seu corpo nu, as gotas escorriam pelo seu corpo como que numa provocação, mamilos pequenos, escuros, peito liso, abdômen firme, falo rijo, coxas grossas, nádegas firmes, caminhava sob o sol que refletindo nas gotas d’água fazia seu corpo brilhar quase a ofuscando...

Ele acordou inquieto aquela manhã, dormiu mal cheio de sonhos estranhos dos quais não se lembrava mais.
Estava cansado, a rotina intensa à qual vinha se propondo a levar era eletrizante e intensa, perfeita neste momento conturbado da vida, mudanças, novos horizontes se abrindo, energia acumulada pronta pra explodir, porém causavam bastante stress, cansaço físico e mental.
Sentiu que precisava de um tempo, uma pausa pra se recuperar, relaxar.
Decidido, levantou-se, arrumou a mochila, carregou o carro e caiu na estrada. Ouvindo um som, subindo a serra, fumando um... Fazia tempo que não ia acampar lá, era o lugar perfeito.
Estava ansioso para chegar lá, ia divagando, planejando o churrasquinho na beira do lago, virou o carro entrando na estradinha que levava ao platô e viu a barraca.

_ Puts! Tem gente – pensou carregando as mochilas e rumando ao platô – tomara q seja só essa barraca, to a fim de muita gente não – e foi murmurando encontrar quem quer que fosse, cumprimentar e descer lá pra perto da cachoeira.

Tomando uma caneca de café e reclamando consigo mesma de ter-se deixado dormir ao relento, ainda no mal humor matinal ela ouviu o barulho do carro chegando e praguejou mais uma vez “merda, chegou alguem”. Virou-se e deu de cara com o moço “uau! Gato!” pensou dirigindo se a ele

_ Oi
_Oi, sou o Pedro e você? – disse ele meio sem jeito “gostosa hein?” pensou olhando-a
_ Carolina, um café? - perguntou alcançando a garrafa e enchendo uma caneca

Ele pegou a caneca agradecendo com um gesto de cabeça, tomou um gole enquanto ela enchia a própria caneca e disse:

_ bom, obrigado pelo café, vou acampar mais lá pra baixo, perto da cachoeira.. – ele disse meio sem jeito
_ Relaxa, quer bolo? Esse lugar é incrível né?  Gosto bastante de acampar por aqui de vez em quando, pena é que não dá pra vir sempre – ela disse tentando quebrar o gelo
_É, as vezes fujo pra cá, quer dizer, essa é só a segunda vez hehehe..

Conversaram amenidades por alguns minutos até que ele se despedir indo arrumar seu acampamento, antes de se distanciar muito parou e a convidou pra almoçar mais tarde, ia fazer um churrasco

_ Ok, até mais então – disse ela dando uma piscadinha e virando-se em direção à sua barraca.

Ele se virou continuando a caminhada com um sorrisinho levemente maroto nos lábios “Vô pegá!”, pensou.
Enquanto ele montava suas coisas ela nadava no lago, a sensação de liberdade que sentia nadando na água fresca do lago era indescritível, de longe observava o moço todo corrido lá em baixo, só de bermudas, carregando pesos, mostrando músculos, “ai ai..” suspirou, vendo que ele terminara suas arrumações e saltando para um mergulho no lago...  Começando a gostar da idéia de uma aventurazinha, ela saiu do lago se enrolando na toalha, tentando jogar todo o charme que podia ao perceber que ele a observava de onde estava e ao mesmo tempo fingindo que não o via, ahh como é boa essa brincadeira de sedução, o retiro estava começando a ficar divertido.
Já não via a hora de mergulhar nesse lago, pensou ele caindo na água, percebeu a moça o olhando de longe e caprichou no mergulho, quando emergiu viu ela saindo do lago, usando a toalha sensualmente e andando até a barraca, mergulhou de novo e relaxou sentindo a água, nadou por alguns minutos e saiu renovado já sentindo o cheiro da carne assando que subia da churrasqueira.
Secou-se, arrumou os cabelos se vendo no reflexo de um espelho pendurado na porta do iglu, ensaiou seus olhares sedutores,  pois se havia algo em que confiar era nesse charme que sabia que tinha , ligou o som e foi preparar uma caipirinha, vendo que a moça já estava a caminho.

_ Oi, disse ela chegando
_E aí? Respondeu ele estendendo o copo.

E começaram a conversar, a beber, a fumar, e a conversa se acalorava conforme o álcool subia, e riram, vibraram com coincidências de interesses, recuaram com incompatibilidades, e comeram, e beberam mais, fumaram mais, se aproximaram mais, se tocaram, se beijaram, se enrolaram.
Ela se sentou por cima dele, suas mãos passeavam pelos corpos mútuos, descobrindo a pele, levantando o vestido, abrindo o zíper. Ele a apertou num abraço, corpos colados, respiração ofegante, encaixe, desejo, tesão.
Se perderam no tempo, se perderam um no outro, as horas corriam sem serem percebidas, a tarde caiu sobre eles e a brisa fria os despertou do transe

_Uau!
_É...

As palavras somem quando não são necessárias.
Ela se sentou, e se viu nua numa esteira no chão de pedra, “Que loucura”, suspirou olhando o céu se escurecendo, ele se sentou ao lado a abraçando, ela se deixou envolver em seu corpo quente, acendeu um cigarro que compartilhavam enquanto ela o mostrava as estrelas e constelações, ele a convidou para entrarem no iglu, entraram, totalmente loucos e entregues que estavam seguiram noite adentro no delírio de prazer até que extasiados e exaustos se entregaram ao sono.


Ela acordou antes dele, já era tarde, levantou-se, fez um café, e foi arrumar suas coisas, era hora de partir, voltar.
Ele acordou, ela não estava ali, saiu da barraca e ela estava caminhando em direção a ele, seu acampamento já não existia, ficou confuso

_ Vai embora? – disse ele meio que incrédulo.
_Vou, gato.

Acariciou-lhe o rosto como que para guardar a imagem na memória, beijou-lhe num suspiro profundo que ele correspondeu abraçando-a forte e envolventemente.

_ Me deixa seu contato? Vamos nos encontrar na cidade?

Ele a olhava com um olhar intrigado, meio que perdido, meio sedutor. Ela o olhou com desejo, ternura, era difícil a decisão.


_ Seria interessante te encontrar de novo, gato... Mas prefiro te deixar aqui, na minha fantasia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Palpitem, critiquem, julguem!