3 de jun de 2010

Cheiros, cores e sabores.

Minha vida deu uma guinada tão boa ultimamente e tantas coisas voltaram a acontecer, coisas que só quando a gente vive de novo se lembra do tanto que é bom!

Hoje está sendo um exemplo disto, alguns amigos vieram em casa e fiz “um almocinho”, comemos, bebemos, conversamos, criticamos o video show, e ouvimos musica, sabe “uma delícia” ?

Agora eles já foram e eu continuei com o blues, uma pena que não é na vitrola como manda a tradição, mas é um bom CD tocado em 5 canais, é, a modernidade também tem suas vantagens!

Mas também falando em vitrola, ontem na casa de um dos meus melhores amigos, sabe daqueles que estão num grupo menor do que 5? Tive a chance de me deliciar com a coleção de vinis, que por acaso um dia foi minha, mas isso é outra história. O que era pra ser uma visitinha virou uma baladinha das boas!

Sempre tive uma vocação para receber bem pessoas que vem em casa, adoro cozinhar para meus amigos, aliás adoro cozinhar. Sabe a Mônica do Friens? “I am always the Hostess!”?

A cozinha é minha maior paixão, mesmo, sentir os cheiros, misturar sabores, é uma atividade onde se usa praticamente todos os sentidos. Eu gosto muito de inventar e geralmente minhas combinações dão muito certo, acho que pelo menos já estou entendendo como funciona o mundo dos salgados, digo sabores da comida salgada, meu desafio agora é entender os doces e os pães.

Apesar de que, quando ainda criança, comecei com doces, mas era meio no automático e ainda é, adoro bolos, por exemplo, e adoro inventar bolos também mas quando fui tirar a receita da minha cabeça e colocar na prática, percebi que tenho muito que estudar.

Tenho como passatempo preferido fazer isso desde então, e claro já desperdicei muita receita, mas um dia eu chego lá. Não tenho pressa e acho que toda paixão tem que ser curtida, saboreada, e esses momentos são sempre muito bem aproveitados apesar de não serem frequentes, se não vira rotina e rotina vira obrigação e daí a coisa se desgasta e fica banal. Ou seja acaba a graça, e que graça tem isso?

E os pães então? Um mistério muito cobiçado por mim, é a arte mais difícil e mais cheia de artimanhas da culinária. O ser humano come e faz pães desde sempre, e a panificação é ao mesmo tempo a parte mais básica e mais requintada!

Outro dia resolvi parar de protelar, comprei os ingredientes e literalmente botei a mão na massa! Olhei umas 30 receitas na internet escolhi uma e fui. E menina, não é que ficou bom!

Voces sabem que a glória de um cozinheiro é ver as pessoas comendo e gostando né? Levei o pão para a casa de uma amiga, junto com uns muffins de banana com canela, esses a receita é uma adaptação minha, para tomarmos um café. A Luiza, filha desta minha amiga de 6 ou 7 anos, nunca sei, devorou os muffins! E disse que achou o pão muito gostoso! E vocês sabem que criança não mente né?

Quem ler vai achar que eu sou uma metida e fico aqui me gabando, mas não é, juro! Eu até nem achei aqueles muffins tão bons assim, ainda vou melhorá-los.

Mas no fim é isso, a vida é boa demais! A gente tem que parar com essa mania de procurar os defeitos antes das qualidades e aproveitar, como no filme “Sociedade dos Poetas Mortos”, viver sempre o hoje como se não houvesse amanhã!

E como diria Scarlet O’Hara, “Afinal de contas amanhã é outro dia”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Palpitem, critiquem, julguem!